China retoma importação de carne brasileira

com informações da Agência Brasil

A China autorizou a retomada das importações de carne bovina brasileira, a partir desta quarta-feira (15/12). A suspensão da compra de carne do Brasil teve início em 4 de setembro, após a identificação de dois casos de bovinos com Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), registrados em Nova Canaã do Norte (MT) e em Belo Horizonte (MG).

A China é o principal destino da carne produzida no Brasil, para onde são destinados 48% de suas vendas globais. Em 2020, o total exportado àquele país superou US$ 4 bilhões.

Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a suspensão foi feita pelo Brasil “em respeito ao protocolo firmado entre os dois países, que determina esse curso de ação no caso de EEB, mesmo que de forma atípica”.

Ainda de acordo com o ministério, os animais desenvolveram a doença “de maneira espontânea e esporádica, não estando relacionada à ingestão de alimentos contaminados”. As autoridades brasileiras acrescentam que não há transmissão da doença entre os animais.

“Retomamos o fluxo normal de exportações para a China, após período de negociação, com trocas de informações e reuniões com equipes das autoridades chinesas. É uma boa notícia para o setor porque [a China] é o principal destino da exportação de carne bovina brasileira. Então, voltamos à situação que estávamos antes da suspensão”, disse o secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, José Guilherme Leal.

Banco do Brasil prorroga mutirão de renegociação de dívidas

O Banco do Brasil prorrogou o seu mutirão de renegociação de dívidas. Agora, as condições especiais podem ser acessadas até o dia 30 de dezembro. Neste período, os descontos chegam a até 95%, para liquidação à vista de dívidas vencidas. Também estão disponíveis descontos nas taxas de juros e prazo de até 100 meses para renegociação a prazo de operações vencidas.

O mutirão teve início no dia 6 de dezembro e, desde então, mais de 42 mil operações foram realizadas, totalizando R$ 634 milhões renegociados em todo o país.

Todos os clientes que estiverem com dívidas vencidas e não pagas podem procurar o Banco para buscar uma solução adequada a sua capacidade de pagamento. As condições estão disponíveis para clientes pessoa física, produtor rural e pessoa jurídica, que possuam dívidas inadimplidas oriundas de operações de crédito pessoal, cartão de crédito, cheque especial e outras.

Os clientes podem acessar as agências do Banco para renegociar suas dívidas e também os canais digitais: site, App, WhatsApp (61 4004.0001) e pela Central de Atendimento (4004.0001 / 0800 729 0001).

Valor da produção agropecuária de 2021 está estimado em R$ 1,113 trilhão

O valor bruto da produção agropecuária (VBP) de 2021 está estimado em R$ 1,113 trilhão. Esse é praticamente um valor definitivo, pois há estabilidade dos preços e a safra deste ano está praticamente finalizada, com exceção para algumas lavouras de inverno.

O VBP de 2021 vem sendo impulsionado principalmente por lavouras, que cresceram 12,3%, e pela pecuária, com crescimento de 5,4%. Entre as lavouras, os destaques são soja, milho, cana-de-açúcar e café. Na pecuária, o melhor resultado é observado em carne bovina e carne de frango.

Entre os produtos com maior contribuição ao VBP neste ano estão: soja (R$ 361,4 bilhões), milho (R$ 124,8 bilhões), cana-de-açúcar (R$ 85,4 bilhões), café (R$ 40,1 bilhões), algodão (R$ 26,9 bilhões). Estes cinco produtos representam 57,3% do VBP de 2021.

Os produtos com contribuição negativa ao VBVP são o amendoim (-9,4%), banana (-11,6%), batata inglesa (-12,4%), feijão (-14,6%) e laranja (-17,7%). Na pecuária, suínos e ovos apresentaram contribuição negativa devido a menores preços do que em 2020.

VBP para 2022

Com os prognósticos do tempo para 2022 indicando chuvas em momento adequado com bom desenvolvimento das lavouras, o valor estimado para o VBP em 2022 é de R$ 1,164 trilhão. Esse valor é 4,5% acima do obtido em 2021.

A soja tem faturamento previsto de R$ 356,6 bilhões e o milho, R$ 148,5 bilhões em 2022. Esses produtos lideram o VBP do próximo ano.

Agricultura brasileira terá US$ 1,2 bi do BID para projetos de sustentabilidade

Projetos sustentáveis da agricultura brasileira terão acesso a uma nova linha de crédito aprovada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Os recursos da operação de crédito, no valor de US$ 1,2 bilhão, destinam-se a financiar, prioritariamente, projetos para o desenvolvimento sustentável das cadeias produtivas agropecuárias.

Parte destes recursos – US$ 230 milhões – será aplicada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) no Programa de Apoio ao Desenvolvimento Agropecuário no Nordeste (AgroNordeste), sendo investida no desenvolvimento de oportunidades econômicas em cadeias de valor agropecuárias, na regularização fundiária e ambiental. Os recursos também serão utilizados em projetos do AgroNordeste para ampliação da área livre de moscas-das-frutas existente no Rio Grande do Norte e no Ceará, e na Consolidação da Área de Proteção Fitossanitária de moscas-das-frutas na região do Vale do São Francisco.

Os recursos destinados ao AgroNordeste beneficiam, por exemplo, associações e cooperativas do Piauí (produção de mel), Rio Grande do Norte (produção de manga e ovinocultura), Paraíba (peles, couros e ovinocaprinocultura), Sergipe (leite), Espírito Santo (pimenta-do-reino) e Minas Gerais (polvilho e mandioca). Outros projetos do programa serão avaliados e devem beneficiar no total mais de 166 mil produtores, organizados ou não em associações e cooperativas.

As linhas de crédito do BID ficarão disponíveis por dez anos, e os projetos apresentados deverão estar alinhados com as políticas de apoio ao setor agropecuário e ao desenvolvimento rural e definidas como prioritárias pelo Plano Estratégico 2020-2031 do Mapa especialmente nas áreas temáticas de defesa agropecuária, inovação agropecuária (pesquisa, assistência técnica e extensão rural), regularização fundiária, regularização ambiental e sustentabilidade ambiental adaptada às mudanças climáticas.

O objetivo da nova linha de crédito consiste em melhorar a produtividade e a resiliência do setor agropecuário, a renda e o acesso a serviços básicos no Brasil rural. Poderá ser acessada por entidades do Governo Federal, dos governos estaduais e por instituições financeiras para atuarem como intermediárias com o setor privado, seguindo as normas estabelecidas pela Cofiex.

O BID é parceiro do Brasil desde sua criação, em 1959. Ao longo desse período, foram realizados diversos projetos de alta relevância social e econômica. No Ministério da Agricultura, foram muitas iniciativas exitosas, como as operações de apoio à defesa agropecuária, à irrigação e à Embrapa. O apoio do banco trouxe modernização do sistema de defesa agropecuária brasileiro, além da cooperação financeira, avançou em projetos de cooperação técnica nos temas ligados à sustentabilidade, como adaptação climática, seguro rural e inovação.

Foto: Adilson Nóbrega / Embrapa Caprinos e Ovinos

Contratações do Plano Safra 2021/2022 chegam a R$ 131,4 bilhões em cinco meses

Nos cinco primeiros meses da safra 2021/2022 (julho a novembro), os desembolsos de crédito rural foram de R$ 131,4 bilhões, aumento de 24% em relação ao mesmo período da safra anterior, conforme balanço do crédito rural divulgado pela Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

As liberações de custeio alcançaram R$ 74,6 bilhões, com elevação de 25%. Já os investimentos apresentaram desempenho de R$ 35,2 bilhões, alta de 13%.

As contratações de comercialização representaram R$13,5 bilhões (+48%) e as de industrialização R$ 8,1 bilhões (+23%). As modalidades de comercialização mais demandadas são: Estocagem, o Financiamento para Garantia de Preços ao Produtor (FGPP) e o Financiamento Especial para Estocagem de Produtos Agropecuários (FEE), que na atual safra representaram 78% do valor contratado para comercialização. Esses instrumentos foram utilizados para apoiar, principalmente, os produtores de milho, soja e café.

No desempenho do crédito rural por região, o Norte teve crescimento de 26% no número de contratos e 45% no valor, com ênfase para os estados do Tocantins, Pará e Acre.

A SPA destaca que, apesar das variações positivas em todas as finalidades, o ritmo de crescimento das contratações de crédito rural teve uma desaceleração em comparação com os dados divulgados nos últimos quatro balanços, especialmente nas operações de investimento.

Normativo do Bacen

Desde de 30 de agosto, o cálculo do desembolso do crédito rural foi alterado a partir de norma do Banco Central (Bacen), que suspendeu a contabilidade de operações contratadas que, após dois dias úteis, não tenham liberação de recursos. Entretanto, se no prazo de até 365 dias da contratação houver liberação de recursos, a operação poderá ser reincluída no Sistema de Operações do Crédito Rural e do Proagro (Sicor).

Anteriormente, os prazos para exclusão dessas operações variavam entre 40 e 90 dias para custeio, 90 dias para comercialização e industrialização e 180 dias para investimentos.

A redução nos prazos de exclusão, conforme o item 23 das Condições Gerais do Documento 1 do Manual de Crédito Rural (MCR), implicou na revisão das informações sobre crédito rural, disponibilizados no Sicor.

O diretor do Departamento de Política de Financiamento ao Setor Agropecuário, Wilson Vaz de Araújo, destaca a diferença no valor dos financiamentos na atual safra, computados em outubro e em novembro, nos programas de investimento, especialmente Prodecoop (-98%), PCA (-33%) e Moderfrota (-31%). A redução é decorrente do normativo do Bacen e ainda pela ocorrência de atraso na entrega de máquinas e equipamentos, que tem resultado consequentemente, em demora na liberação de recursos. O diretor informou que os dados do desempenho do crédito rural na atual safra, divulgados anteriormente, serão revisados.

Fontes de recursos

Ao analisar as contratações por fonte de recursos, os Recursos Obrigatórios (MCR 6-2), da Poupança Rural Controlada, da Poupança Rural Livre e da LCA continuam liderando o ranking de liberações, com 79% do valor das operações de crédito rural. Por outro lado, houve um declínio das fontes BNDES (-27%) e FCO (-36%), que podem ser justificadas pela ocorrência da referida suspensão de operações contratadas e não liberadas. No balanço até outubro/2021, essas fontes haviam apresentado variações positivas de 1% e 92%, respectivamente.

No caso do BNDES/Equalizável, a redução se justifica, também, pela menor disponibilidade de recursos, pelo fato de outras instituições terem começado a operar diretamente com recursos equalizados no crédito rural.

O saldo remanescente ao final de novembro de 2021 foi de 52% para os investimentos e de 46% para o custeio, comercialização e industrialização. Os programas com maiores comprometimentos de recursos foram o Procap-Agro (66%); outros programas com fontes não equalizadas (55%); Pronaf (52%) e Moderfrota (52%).

Conab: safra de grãos (2021/2022) pode chegar a 291,1 milhões de toneladas

com informações da Agência Brasil

Com o clima favorável na maioria das regiões produtoras de grãos no país, a safra nacional pode chegar a 291,1 milhões de toneladas na temporada 2021/22, como revela levantamento divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Caso se confirme a previsão, o volume a ser colhido será superior em 38,3 milhões de toneladas, se comparado com o ciclo anterior, o que representa um incremento de 15,1%.

A Conab lembra que, em novembro deste ano, foi registrado grande volume de chuva, chegando a ultrapassar a média em diversas localidades, principalmente nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e no Matopiba (região formada por áreas majoritariamente de cerrado nos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), o que favorece o desenvolvimento das culturas de 1ª safra. No entanto, no Sul do país, a chuva registrada não foi suficiente para atingir a média em grande parte da região.

De acordo com a companhia, soja e milho seguem como os dois principais produtos que puxam o bom resultado. Para a oleaginosa é esperada uma ampliação de 3,7% na área a ser semeada, chegando a 40,3 milhões de hectares. A produtividade tende a se manter próxima à obtida na safra anterior, estimada atualmente em 3.539 kg/ha. Com isso, é esperada uma colheita de 142,8 milhões de toneladas, desempenho que mantém o país como o maior produtor mundial de soja.

No caso do milho, informa a Conab, a expectativa de crescimento é de 34,6% na produção total, com um volume previsto em 117,2 milhões de toneladas. O alto percentual reflete a recuperação nas produtividades, principalmente da segunda safra do cereal, que foi impactada negativamente no ciclo 2020/21 pelas adversidades climáticas registradas.

Segundo a Conab, há expectativa de crescimento também na área de plantio do algodão. A previsão é que o cultivo ocorra em uma área de 1,49 milhão de hectares, resultando em um aumento da produção. Apenas para a colheita da pluma da fibra é esperado um aumento de 10,7% em comparação à safra 2020/21, chegando a 2,6 milhões de toneladas.

Para o feijão, a Conab espera um aumento na produção impulsionada pela melhora na produtividade das lavouras. Mesmo com a expectativa de menor área semeada, somando-se as três safras, os produtores da leguminosa deverão colher 3,1 milhões de toneladas. Já para o arroz, a estimativa é de manutenção da área de cultivo com uma leve queda na produção de 2,5%, ficando em torno de 11,5 milhões de toneladas.

Em fase final de colheita, o trigo está com produção estimada em 7,8 milhões de toneladas, um novo recorde para o país.

Área

O crescimento da produção acompanha a elevação da área plantada. Segundo a estatal, os agricultores brasileiros destinarão cerca de 72 milhões de hectares para o plantio dos grãos, incluindo culturas de 1ª, 2ª e 3ª safras, aumento de 4,3% sobre o período 2020/21.

Mercado externo

Em relação ao mercado externo, os preços internacionais do algodão continuam em patamares elevados, influenciados pelo déficit produtivo da fibra no mundo. A expectativa de exportações se manteve estável neste levantamento, podendo chegar a 2 milhões de toneladas. A maior rentabilidade do produto sobre o milho pode influenciar na decisão de alguns produtores.

Segundo a Conab, o cereal, por sua vez, encontra cenário distinto entre mercado interno e externo. Enquanto que no panorama doméstico os preços tendem a entrar em estabilidade, após o registro de queda nas últimas semanas, as cotações internacionais estão em alta, sinalizando a preocupação com a condição climática adversa no sul da América do Sul, bem como a recuperação da demanda por etanol de milho, principalmente nos Estados Unidos.

As exportações na safra 2020/21 tiveram um novo ajuste, com os embarques previstos em 19,2 milhões de toneladas. Para o ciclo 2021/22 é esperada uma recuperação dos volumes exportados com vendas próximas a 36,68 milhões de toneladas.

A soja também apresenta preços próximos da estabilidade no mercado interno, mesmo com a elevação das exportações brasileiras. A estimativa é que sejam exportadas 85,8 toneladas do grão e que o consumo interno gire em torno de 48,4 toneladas.

Quanto ao arroz, diz a Conab, o produto apresenta desvalorização nos preços pagos aos produtores neste segundo semestre. Movimento atípico para o período de entressafra, mas, explicado pela maior oferta do produto uma vez que no primeiro semestre deste ano foi registrado um menor volume de comercialização do que em anos anteriores. A perspectiva é que haja uma leve recuperação nos estoques de passagem no final da safra 2021/22, estimado em 2,4 milhões de toneladas.

Preço da cesta básica de alimentos sobe em nove cidades

Pesquisa foi feita pelo Dieese em 17 capitais

com informações da Agência Brasil

O custo médio da cesta básica de alimentos aumentou em nove cidades brasileiras, de acordo com a pesquisa de novembro do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). As maiores altas foram registradas em cidades do Norte e do Nordeste, como Recife (8,13%), Salvador (3,76%), João Pessoa (3,62%), Natal (3,25%), Fortaleza (2,91%), Belém (2,27%) e Aracaju (1,96%). O estudo levou em consideração os preços em 17 capitais.

A elevação também foi percebida em Florianópolis (1,40%) e Goiânia (1,33%). As reduções mais importantes ocorreram em Brasília (-1,88%), Campo Grande (-1,26%) e no Rio de Janeiro (-1,22%).

Cestas mais caras

Segundo a pesquisa, a cesta mais cara foi a de Florianópolis (R$ 710,53), seguida por São Paulo (R$ 692,27), Porto Alegre (R$ 685,32), Vitória (R$ 668,17) e Rio de Janeiro (R$ 665,60). Apesar da alta em novembro, as capitais do Norte e Nordeste obtiveram valores menores: Aracaju (R$ 473,26), Salvador (R$ 505,94) e João Pessoa (R$ 508,91).

Em relação a novembro de 2020, a cesta básica subiu em todas as capitais, com maiores percentuais anotados em Curitiba (16,75%), Florianópolis (15,16%), Natal (14,41%), Recife (13,34%) e Belém (13,18%). No acumulado de janeiro a novembro deste ano, todas as capitais também registraram alta.

Salário mínimo

O Dieese estima que o salário mínimo necessário para manter uma família no país deveria ser R$ 5.969,17, o que corresponde a 5,42 vezes o piso nacional vigente: R$ 1.100,00. Em outubro, o valor deveria ter sido de R$ 5.886,50.

Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil

Cepal: comércio da América Latina e do Caribe terá aumento em 2021

Previsão é crescimento de 25% nas exportações regionais de bens

com informações da Cepal e da Agência Brasil

De acordo com relatório da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), o comércio internacional da região terá uma recuperação importante em 2021. O crescimento ocorre após forte queda observada no ano passado. A recuperação, no entanto, não será igual em todos os países por causa da incerteza provocada pela pandemia do novo coronavírus.

Segundo o levantamento Perspectivas do Comércio Internacional da América Latina e do Caribe 2021, haverá um aumento de 25% no valor das exportações regionais de bens neste ano após uma queda de 10% em 2020.

Esse aumento é impulsionado pela alta de 17% nos preços de exportação e uma expansão de 8% do volume exportado.

Expectativa para 2022 é aumento de 10% no valor das exportações regionais de bens e 9% nas importações, mesmo com menor crescimento da economia regional e mundial.

A América do Sul registrou o maior aumento do valor exportado em 2021, de 34%, beneficiada especialmente com os maiores preços das matérias-primas. No Caribe, o aumento das exportações ocorre pela alta dos preços do petróleo e do gás.

“O aumento das exportações de bens da região durante 2021 é explicado principalmente pelo aumento dos preços dos produtos básicos, sobretudo minerais, petróleo e produtos agroindustriais, mais do que pela expansão do volume exportado. Da mesma forma, as exportações regionais de serviços ainda não se recuperaram da queda sofrida como resultado da pandemia”, mostra o relatório.

Turismo

Conforme a comissão, a dependência dos países da região no turismo supera a média mundial e faz com que a incerteza quanto à reabertura do setor condicione negativamente as perspectivas de várias economias, especialmente dos países do Caribe.

“Essa situação exige uma reflexão sobre a urgência de aprofundar a integração econômica regional. Avançar para um mercado regional integrado é indispensável não só para gerar escalas eficientes de produção e promover processos de diversificação produtiva e exportadora, mas também para alcançar maior autonomia em setores estratégicos. Esse último objetivo tem adquirido particular relevância face às perturbações provocadas pela pandemia nas cadeias mundiais de abastecimento”, destacou a secretária executiva Alicia Bárcena na apresentação do documento.

Incertezas

O relatório da Cepal indica vários fatores de incerteza no comércio mundial com reflexos na região como o ritmo desigual de vacinação e novas variedades do vírus; pressões inflacionárias e dificuldade em manter os estímulos fiscais; tensões comerciais e riscos no setor imobiliário da China; interrupções nas cadeias de abastecimento e aumento dos fretes.

Foto: MInfra / Divulgação

Prorrogado o prazo de vacinação contra a febre aftosa em 14 estados

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) avaliou e autorizou a prorrogação da segunda etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa do ano de 2021 em 14 estados. A medida foi solicitada pelas entidades representativas dos produtores e chancelada pelo Serviço Veterinário Estadual (SVE). A ampliação do prazo ocorre em função da necessidade de remanejamento de doses de vacinas para algumas regiões.

Nesta etapa, são vacinados bovinos e bubalinos com até 2 anos de idade, para a maioria dos estados brasileiros, conforme o calendário nacional de vacinação. Ao todo, espera-se imunizar cerca de 78 milhões de animais. 

Para os pecuaristas de Tocantins e Mato Grosso, a prorrogação vale até o dia 10/12. No estado de Goiás, o novo prazo será até o dia 11 de dezembro e em Alagoas e Amapá, até o dia 15. Já os estados de Espírito Santo, Minas Gerais e Rio de Janeiro a ampliação do prazo vai até o dia 20 de dezembro. O Ceará tem prazo para o dia 24, enquanto que Bahia e Pará finalizarão no dia 30. Por fim, produtores do Maranhão, Piauí e São Paulo terão até dia 31 de dezembro para realizar a imunização.

“O Mapa, com apoio do Sindan, tem monitorado diariamente a situação da produção e distribuição de vacinas contra a febre aftosa nas unidades Federativas. Reforçamos que há vacina suficiente para toda a população alvo dessa etapa de novembro de 2021”, destaca o diretor do Departamento de Saúde Animal, Geraldo Moraes.

O Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan) disponibilizou um canal de comunicação direto (sindan@sindan.org.br) para que todas as distribuidoras e revendas de vacina contra a febre aftosa façam contato, no caso de alguma dificuldade de acesso a aquisição da vacina contra a febre aftosa.

As vacinas devem ser adquiridas nas revendas autorizadas e mantidas entre 2°C e 8°C, desde a aquisição até o momento da utilização – incluindo o transporte e a aplicação, já na fazenda. Devem ser usadas agulhas novas para aplicação da dose de 2 ml na tábua do pescoço de cada animal, preferindo as horas mais frescas do dia, para fazer a contenção adequada dos animais e a aplicação da vacina.

Além de vacinar o rebanho, o produtor deve declarar ao órgão de defesa sanitária animal de seu estado. A declaração de vacinação deve ser feita de forma online ou, quando não for possível, presencialmente nos postos designados pelo serviço veterinário estadual nos prazos estipulados.

Em caso de dúvidas, a orientação é que o criador procure o órgão de defesa sanitária animal de seu estado.

Foto: Jayme Vasconcellos / Agricultura e Negócios

Lei confere a Lagoa Vermelha (RS) o título de Capital Nacional do Churrasco

com informações da Agência Brasil

Lagoa Vermelha, no Rio Grande do Sul, é oficialmente, a partir de hoje (01/12), a Capital Nacional do Churrasco. O Projeto de Lei nº 2.436, de 2019, que confere esse título ao município, foi sancionado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, e publicado no Diário Oficial da União desta quarta-feira.

Desde 2019, a cidade já era considerada como a Capital Gaúcha do Churrasco, oficializada por lei estadual sancionada pelo governo do Rio Grande do Sul, em janeiro daquele ano. O ato foi um reconhecimento ao modo pioneiro do lagoense de se expressar, através da culinária dos assados, evidenciada na Festa Nacional do Churrasco, realizada a cada dois anos, desde 1983.

Em 2014, esse conhecimento do lagoense no preparo de assados resultou em uma ação conjunta no município, para a promoção de um curso de extensão universitária: “A arte e o segredo no preparo do tradicional churrasco de Lagoa Vermelha. O melhor churrasco do Brasil”.

A iniciativa envolveu o Instituto de Desenvolvimento do Alto Uruguai, campus Passo Fundo, o Centro de Tradições Gaúchas (CTG) Alexandre Pato (responsável pela realização da Festa Nacional do Churrasco e Comida Campeira) e a Associação Brasileira de Criadores de Devon.

Assim, por causa do forte vínculo com a pecuária e favorecida posição geográfica, pela tradição e peculiaridade do povo lagoense, e por se tratar de um elemento cultural e fundamental à economia da região, o churrasco simboliza parte da história do município.