Plano nacional irá agilizar a implementação do Código Florestal em imóveis rurais

O governo federal irá instituir o Plano Nacional de Regularização Ambiental de Imóveis Rurais (RegularizAgro), com o objetivo de desenvolver um plano de ação governamental entre a União e os estados para avançar na agenda da regularização ambiental em todos os biomas brasileiros, em conformidade com o Código Florestal.

O decreto Nº 11.015, que institui o RegularizAgro foi assinado durante a cerimônia de entrega de títulos de propriedade rural a famílias assentadas do Assentamento Itamarati, em Ponta Porã (MS).

O RegularizAgro vai propor medidas e estratégias para o cumprimento das diretrizes da regularização ambiental nas propriedades rurais,  estabelecendo um ambiente de segurança jurídico-institucional, de governança pública e articulação setorial necessários ao cumprimento efetivo do Código Florestal. O Plano também prevê a criação de estrutura de governança formal, com a instituição de um Comitê Gestor e de Câmaras Técnicas, que poderão contar com a participação de especialistas no tema, para a definição de instrumentos normativos e técnicos.

“O RegularizAgro vai promover a integração de dados e sistemas para a efetiva regularização ambiental dos imóveis rurais, contribuindo também para o combate ao desmatamento ilegal e o cumprimento dos acordos firmados no âmbito dos Programas de Regularização Ambiental.  A estruturação do RegularizAgro vai possibilitar a construção de um planejamento estratégico de governo, visando contribuir com a agenda de regularização ambiental, em conformidade com o Código Florestal”, explica o diretor-geral do Serviço Florestal Brasileiro, Pedro Neto.

Criado em 2012, o Código Florestal Brasileiro dispõe sobre a proteção da vegetação nativa em todo o território nacional e criou o Cadastro Ambiental Rural (CAR), instituindo o Programa de Regularização Ambiental e o Programa de Apoio e Incentivo à Preservação e Recuperação do Meio Ambiente.

Atualmente, mais de 6,5 milhões imóveis rurais estão cadastrados, totalizando uma área de 618 milhões de hectares, o que representa 72% do território nacional. No entanto, apenas 18,7 mil cadastros já tiveram a análise da regularidade ambiental concluída.

As Unidades Federativas são as principais responsáveis pela regularização ambiental das propriedades rurais no âmbito do Código Florestal, com a realização de todo o processo de análise e cancelamento do CAR e aprovação dos Programas de Regularização Ambiental. Nos últimos anos, foram desenvolvidas ferramentas de análise dos cadastros, como o Módulo de Análise Dinamizada do Cadastro Ambiental Rural (AnalisaCAR).

Para dar maior dinamização aos processos de análise dos registros do CAR, o RegularizAgro vai priorizar o aperfeiçoamento do Sistema de Cadastro Ambiental Rural (Sicar), garantido a interoperabilidade com outros sistemas correlacionados e com os estados. “Este Plano pode exercer papel central na articulação de esforços entre União e estados, garantindo um caminho de consenso entre os membros para avançar na  implementação da legislação”, avalia o diretor do SFB.

Comitê Gestor

O RegularizAgro será elaborado e aprovado por um Comitê Gestor, composto por representantes do Mapa, do Ministério do Meio Ambiente, da Embrapa, do Conselho Nacional de Secretários de Estado de Agricultura (Conseagri) e da Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente (Abema). Os membros do Comitê deverão ser indicados em até 30 dias após a publicação do Decreto.

O Plano deverá ser apresentado em um prazo de até 180 dias a partir da publicação do decreto. A proposta é que ao longo deste período os diversos atores sejam ouvidos e envolvidos neste processo garantindo que o Plano gere um amplo entendimento quanto aos próximos passos para implementação da legislação.

Renagro permitirá registro eletrônico de tratores e máquinas agrícolas

A partir de outubro deste ano, entra em vigor o Registro Nacional de Tratores e Máquinas Agrícolas (Renagro). Com isso, o produtor terá acesso a um documento com registro e diversos dados sobre os equipamentos.

O decreto Nº 11.014, que cria o Renagro, foi assinado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, e pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A ministra Tereza Cristina destacou que o registro é gratuito ao produtor rural, garantindo a propriedade do bem e segurança na comercialização do veículo. “Se o trator for roubado, as polícias Federal, Rodoviária Federal e estaduais poderão entrar no cadastro e ajudar na procura. Se você quiser vender o veículo, terá registrado o ano e também poderá ter acesso a seguro mais barato”, exemplificou a ministra sobre os benefícios do Renagro, em cerimônia de entrega de títulos de propriedade rural em Ponta Porã (MS).

Ao registrar o trator ou a máquina agrícola na base nacional de tratores e de máquinas agrícolas, o proprietário terá acesso ao documento Renagro por meio de sistema informacional IDAgro. Além disso, o sistema permitirá alterações sobre a informação de propriedade do registro do trator de forma facilitada e acessível.

Para isso, os fabricantes, os importadores e os agentes autorizados de tratores e de máquinas agrícolas deverão pré-cadastrar as informações relativas aos bens produzidos ou importados na base nacional de tratores e de máquinas agrícolas do Renagro. A partir do pré-cadastro, um novo proprietário poderá ter seu novo equipamento cadastrado no sistema, após uma simples análise documental.

A diretora de Apoio à Inovação para a Agropecuária do Mapa, Sibelle Silva, explica que, atualmente a falta de um sistema de registro de tratores agrícolas e aparelhos automotores traz dificuldades ao produtor rural tanto na comercialização do bem, com o registro e com os altos custos cartorários, como na contratação do seguro do veículo. “Com o Renagro, o Mapa passa a atender a legislação, registrando os tratores sem custo para o produtor rural e contribuindo para formulação e fortalecimento de políticas públicas e promoção da inovação no agronegócio”, acrescentou.

A Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) estima que sejam adquiridos aproximadamente 35 mil novos tratores a cada ano no Brasil.

Guerra na Ucrânia: conflito eleva em até 30% preço dos fertilizantes e agricultores buscam saídas

As sanções econômicas impostas à Rússia por causa dos ataques à Ucrânia já estão sendo contabilizadas pela agricultura brasileira. O setor é dependente de fertilizantes do mercado externo – e o país euro-asiático é o principal fornecedor do produto. Um levantamento da plataforma Insumo Agrícola, que promove negócios on-line entre agricultores e fornecedores, aponta um aumento de até 30% no preço dos fertilizantes.

“Nos primeiros 15 dias, desde o início da ocupação russa, os fertilizantes químicos estão de 20% a 30% mais caros”, assinala o CEO da Insumo Agrícola, Luca Lachica. A elevação dos custos, no entanto, já era uma tendência desde novembro, quando a tensão nas fronteiras entre Rússia e Ucrânia se acentuou. A agricultura brasileira importa 85% do total de fertilizantes que consome em suas lavouras. Rússia e Belarus são os principais fornecedores.

Diante do cenário de muita indefinição e incerteza quanto aos desdobramentos do conflito, o momento pede buscas urgentes e emergenciais por alternativas, frisa Luca Lachica.

Nesse sentido, uma reunião entre a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e embaixadores e integrantes da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira teve como objetivo ampliar a importação de fertilizantes vindos do Oriente Médio e Norte da África. Marrocos, Catar, Arábia Saudita, Egito, Omã e Argélia estão entre os principais países do mundo árabe que fornecem fertilizantes para a agricultura brasileira. A ministra classificou as tratativas como “diplomacia do insumo”.

O CEO da Insumo Agrícola observa que, da parte dos agricultores brasileiros, o movimento por saídas já começou. Assim, a plataforma tem se preparado para dar conta dessa nova demanda por intermediação. “A plataforma está aí para ajudar o mercado encontrar soluções, especialmente por conta dessa tensão no exterior causada pela guerra na Ucrânia”, frisa Lachica.

Foto: Reprodução / Таисия Воронцова / ТАСС / TASS

Cidade de São Paulo receberá complexo científico e cultural a céu aberto sobre o agronegócio

Um complexo científico e cultural a céu aberto em plena Vila Mariana, em São Paulo. Este será o Planeta Agro, um projeto da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, e que nasceu da necessidade de aumentar a conexão entre o campo e a cidade. O projeto contempla a implantação de jardins, canteiros, espaços culturais, espaço kids, centro de tecnologia, exposição de cultivos e de empresas parceiras, praça de conteúdo, informações sobre as nascentes da região e espaço gastronômico.

O coordenador da APTA Sergio Tutui explica que o Planeta Agro será aberto a toda a população. “Os moradores das cidades são o nosso principal público-alvo para o tratamento de questões culturais relativas à produção do agronegócio. Faremos também um trabalho junto ao público infantil para a valorização da educação, privilegiando o resgate da conexão entre o campo e a cidade”, explica. 

Tutui destaca que há uma parcela da sociedade que ainda não tem a real dimensão do trabalho que é feito no campo. “Boa parte do nosso alimento que chega ao nosso prato é produzida em bolsões de pequenos produtores e isso precisa ser comunicado, valorizado e destacado na cidade. Todos precisam ter o conhecimento amplo de como o leite, o feijão, o arroz, por exemplo, chegam à nossa casa”, afirma.

Após o lançamento, o Governo abrirá a possibilidade de participação de empresas privadas. “O Planeta Agro é um projeto do Governo do Estado de São Paulo e contará com a participação de empresas como parceiras para garantir sua sustentabilidade”, destaca Sergio Tutui.

Governo Federal anuncia R$ 40 milhões para soluções tecnológicas no setor agropecuário

O Governo Federal, por meio Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), anunciou investimentos de R$ 40 milhões para o desenvolvimento de soluções tecnológicas no setor agropecuário. São quatro encomendas tecnológicas contratadas pelo MCTI, por meio da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), vinculada ao Ministério, com recursos oriundos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Tecnológico (FNDCT), com valor total aproximado de R$ 40 milhões. Os projetos serão desenvolvidos por universidades e centros de pesquisa especializados.

“Eu fico muito feliz em participar do anuncio dessas quatro encomendas para o desenvolvimento do setor de agronegócios. Temos que comemorar muito por colocar recursos substanciais num setor tão importante para o desenvolvimento do Brasil”, declarou o ministro do MCTI, astronauta Marcos Pontes, durante a cerimônia de anúncio dos recursos.  

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, destacou o ingrediente responsável pelas entregas no setor. “A parceria e integração tão intensas entre o MCTI e o MAPA, que acredito serem inéditas no país, foram fundamentais para que chegássemos hoje com mais essas conquistas para o setor do agronegócio. Mas para o Agro seguir avançando, precisamos de investimentos contínuos e ações concretas em prol da inovação. Hoje é um dia de celebração em nome do nosso partido que é o Brasil”, ressaltou a ministra.

O presidente da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP/MCTI), Waldemar Barroso, projetou o que se pode esperar para o futuro. “Temos visto a pujança do agronegócio brasileiro e tudo isso só é possível graças aos investimentos em ciências, tecnologias e inovações. Quando olharmos para o futuro veremos várias inovações em nosso agronegócio que terão como origem essas diversas iniciativas do governo federal por meio do MCTI com a participação operacional da FINEP”, avaliou.

A liberação dos R$ 40 milhões provenientes do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) passou por um processo de avaliação. O secretario de Pesquisa e Formação Científica do MCTI, Marcelo Morales, que preside o CT-Agro explicou como foi o trâmite. “Primeiro deve passar pelo setor, pela comissão setorial. Foi feita uma análise das prioridades para o setor. Depois foram apresentados os projetos que foram avaliados pela comissão dentro do CT-Agro. Depois de avaliados e aprovados o passo seguinte foi a aprovação dentro da secretaria executiva do MCTI e finalmente pelo conselho diretor do FNDCT. Existe um caminho criterioso e rigoroso para esses projetos sejam eles chamadas públicas ou contratações diretas, as encomendas”, revelou Morales que ainda lembrou que o governo federal por meio do MCTI está fazendo outros investimentos no setor.

“Em 2021 foram aprovados dentro do CT-AGRO um montante de R$ 61,1 milhões. Em 2022 R$76 milhões num total de R$137 milhões nos projetos para o desenvolvimento do setor de agronegócio no Brasil”, ressaltou.

Saiba mais sobre os quatros projetos anunciados:

– Rede FertBrasil – Governança e soluções tecnológicas para o aumento da eficiência agronômica dos fertilizantes: O projeto FertBrasil, executado pela Embrapa, tem o objetivo de consolidar a rede como referência para a geração de tecnologias, processos e serviços que alavanquem uma nova indústria nacional de fertilizantes, aumentem a eficiência de uso e minimizem o impacto ambiental negativo dos fertilizantes e insumos para a nutrição de plantas. O projeto possui recursos de cerca de R$ 11 milhões para execução no prazo de 24 meses.

Pesquisa e Desenvolvimento para produção do fermento Terroir do Semiárido brasileiro para aplicação em produtos lácteos: Projeto executado pelo Instituto Nacional do Semiárido (INSA), unidade de pesquisa do MCTI. O objetivo desta proposta é de desenvolver tecnologicamente fermentos autóctones, tidos como “Terroir do Semiárido Brasileiro”. Recurso de R$ 6,6 milhões num prazo de 36 meses.

– Novas tecnologias de avaliação genética aplicadas aos Programas de Melhoramento da Cana-de-açúcar: Conduzido pela Universidade Federal de Goiás (UFG) com a participação de outras universidades brasileiras, inclui o desenvolvimento de plataformas de fenotipagem em larga escala, desenvolvimento de variedades transgênicas de cana-de-açúcar, caracterização molecular de bancos de germoplasma de cana-de-açúcar e cana-energia e desenvolvimento e uso de seleção genômica nos programas de melhoramento genético. Projeto com recursos de cerca de R$ 12 milhões e prazo de execução de 36 meses.

– PronaSolos: Rede para o avanço científico e tecnológico aplicado às múltiplas funcionalidades do solo, executado pela Embrapa Solos com o objetivo de estabelecer uma rede de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) para ampliação da capacidade nacional e competitiva em C&T e do desenvolvimento e aperfeiçoamento de conhecimento e de tecnologias relativos ao levantamento de solos e sua interpretação de uso em escalas iguais ou mais detalhadas que 1:100.000, compatíveis ao planejamento rural estadual, municipal e de microbacias hidrográficas, indispensáveis para garantir o desenvolvimento agroambiental sustentável no Brasil. O projeto possui recursos de cerca de R$ 12 milhões com prazo de execução de 24 meses.

Banco Central permitirá o compartilhamento de dados das operações do crédito rural

A partir de maio deste ano, será permitido o compartilhamento de dados das operações de crédito rural, desde que autorizados pelos beneficiários do crédito, em moldes semelhantes ao proposto no Open Finance.

O Open Finance é um sistema financeiro aberto que permite o compartilhamento de dados dos usuários entre diferentes instituições e empresas financeiras. O tipo de dado, a finalidade e o período de compartilhamento ficam sempre a critério do usuário.

A resolução foi aprovada pelo Banco Central (BC) com o propósito de ampliar as fontes de recursos financeiros para os produtores rurais, aprimorar os produtos e serviços financeiros disponibilizados e diminuir a assimetria de informações nesse segmento.

“É fundamental que as bases de dados sob administração do Estado sejam abertas respeitados os contornos legais. Essas informações são valiosíssimas para a formação do mercado de crédito e esperamos que essa importante iniciativa do BC surta o efeito esperado e necessário”, salienta o diretor adjunto da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Angelo Mazzillo.

O compartilhamento de informações será operacionalizado diretamente pelo BC no próprio sistema destinado ao registro das operações de crédito rural (Sicor), mediante cadastro dos beneficiários de crédito rural (titulares) e dos terceiros interessados (consulentes) em acessar dados das operações dessa modalidade. Aos consulentes será concedido acesso aos dados apenas se houver consentimento prévio por parte dos titulares.

A expectativa é de que, a partir da ampliação do acesso a essas informações – muitas delas associadas ao perfil do produtor e de suas atividades – tanto o sistema financeiro quanto outros fornecedores de funding (captação de recursos financeiros para o investimento específico pré-acordado de uma empresa), como o mercado de capitais, ofereçam condições mais favoráveis e adequadas às necessidades dos produtores rurais.

Essas informações poderão ser utilizadas, ainda, por agências de rating (“nota” que se atribui a um potencial devedor), auditorias, certificadoras e outras entidades de propósito semelhante, o que também pode contribuir para ampliar a oferta de crédito ao produtor rural, com a redução dos efeitos provocados pela assimetria de informação.

Além disso, espera-se que, por meio da nova funcionalidade do sistema, o produtor rural possa demonstrar seu histórico no crédito rural, especialmente para todos seus potenciais credores, sejam instituições financeiras ou entidades que operam em outros mercados financeiros.

Essa maior transparência poderá contribuir para a oferta de crédito em melhores condições para os produtores rurais, de acordo com o risco efetivo de suas operações, e para inserção do produtor em novos mercados. 

Foto: Divulgação / Enildo Amaral / BCB

Produtores rurais buscam cada vez mais soluções high-tech

Se o agronegócio brasileiro é hoje uma potência mundial, isso se deve justamente ao investimento em tecnologia, que tem sido cada vez maior por parte dos produtores rurais. Uma pesquisa feita em parceria entre a Embrapa, o Sebrae e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) revelou que 84% dos agricultores brasileiros já utilizam ao menos uma tecnologia digital como ferramenta de apoio na produção. O estudo foi realizado entre abril e junho de 2020 e contou com 750 participantes entre produtores rurais, empresas e prestadores de serviços.

De acordo com José Henrique Castro Gross, gerente corporativo de agricultura de precisão da Pivot Máquinas Agrícolas e Irrigação, marca líder no Brasil em sistemas de pivôs centrais, o grande diferencial tecnológico no campo é a possibilidade de conectividade entre as soluções digitais de gestão e as tecnologias embarcadas nos modernos maquinários agrícolas e de irrigação.

“Além dos equipamentos de irrigação e maquinário agrícolas (tratores, colheitadeiras, pulverizadores), hoje nós também oferecemos várias soluções digitais que auxiliam o produtor rural na gestão da fazenda, especialmente no que diz respeito ao plantio, colheita e pulverização de defensivos e nutrientes”, explica o gerente da Pivot.

Entre as soluções disponíveis oferecidas pela Pivot, José Henrique cita duas plataformas digitais exclusivas da marca no Brasil: a Fieldnet fornecida pela Lindsay, empresa líder mundial em tecnologias de irrigação; e a AFS Connect, da Case IH, outra marca líder no desenvolvimento de maquinário agrícola e tecnologias para o campo.

“Essas plataformas, que estão disponíveis para sistemas operacionais de qualquer smartphone ou tablet, oferecem inúmeras ferramentas digitais voltadas para a gestão da propriedade rural, em especial para planejamento de plantio e colheita e manutenção de produtividade e de maquinário agrícolas, e podem ser adquiridas por qualquer produtor rural, mesmo aqueles que não são usuários de equipamentos comercializados pela Pivot”, afirma José Henrique.

Entre os recursos disponíveis por essas plataformas existem as ferramentas de monitoramento meteorológicos que possibilitam um planejamento cada vez mais preciso da safra de variadas culturas. “Hoje temos equipamentos de irrigação, por exemplo, que funcionam integrados a plataformas digitais de monitoramento meteorológico, possibilitando previsões climáticas para daqui 10, 15 ou 20 dias. Isso é determinante para a definição da melhor data do plantio, do planejamento de suas colheitas e distribuição”, destaca o gerente de agricultura de precisão da Pivot.

Irrigação digital

Só a Pivot tem instalados cerca de 1.200 pivôs conectados 24 horas com a internet. Isso permite um controle total do sistema, seja para a operacionalização, ou monitoramento do que está sendo produzido na área irrigada ou do quanto está sendo gasto de água e energia. Todo esse controle pode ser feito de forma 100% remota, seja de um computador, smartphone ou tablet.

“É possível, através das ferramentas que temos, ajustar remotamente a pressão e vazão do sistema. Emitir, a qualquer momento, relatórios personalizados sobre os gatos de energia e de água, o que é importante para atender os requisitos de conformidade legal, que muitas vezes são exigidos numa propriedade, especialmente em relação ao bombeamento de água”, explica José Henrique ao falar sobre o Fieldnet.

De acordo com o gerente da Pivot, uma das grandes vantagens dessas soluções digitais voltadas para o campo é que a maioria está preparada com interface e conectividade com as várias tecnologias embarcadas nos maquinários. “As tecnologias presentes nos maquinários agrícolas modernos conseguem, por exemplo, monitorar produtividade, condições meteorológicas e do solo. Por isso hoje, praticamente 100% dos equipamentos da Case IH, marca com a qual trabalhamos, já vem com alguma tecnologia digital embarcada”, salienta o gerente de agricultura de precisão.

Acessível

A tecnologia no campo é bastante acessível, segundo José Henrique. Qualquer produtor, do pequeno ao grande, pode investir e aumentar a rentabilidade. “Hoje, essas tecnologias são buscadas por clientes de pequeno, médio ou grande, até pela enorme variedade disponível de soluções tecnológicas. Na verdade, o pequeno e o médio produtor tem até usado mais a tecnologia, pelo fato de muitas vezes não poderem contratar tantos colaboradores e a necessidade de produzir mais numa área menor”, avalia José Henrique.

Ministério da Agricultura lança portal sobre ecossistema de inovação agro no país

Informações sobre o ecossistema de inovação da agropecuária brasileira e principais iniciativas em curso no país agora estão reunidas no Agro Hub Brasil. O novo portal traz números de agtechs – startups do setor agropecuário- de hubs de inovação, além de informações sobre parques tecnológicos, incubadoras e aceleradoras de empresas.

“O Agro Hub Brasil vem preencher uma lacuna, pois muito já se sabia do que estava acontecendo no campo referente à transformação digital, mas não havia um espaço que desse a visibilidade da grandeza desse processo. Para o futuro, a ideia é lançar chamadas online para que startups apresentem soluções para os desafios do Agro brasileiro, entre outras evoluções que devem acontecer ainda este ano”, disse o coordenador-geral de Inovação do Ministério da Agricultura, Pecurária e Abastecimento (Mapa), Daniel Trento.

Ainda segundo Trento, o Agro Hub Brasil contribui para uma maior coordenação das ações em curso, sejam elas promovidas pelo ministério ou por outras instituições, além de integrar o compromisso do Mapa de promover e potencializar iniciativas de inovação que fortaleçam a aceleração da transformação digital no campo.

No Agro Hub Brasil, o usuário tem acesso a um calendário com as principais iniciativas do agro que acontecem no país, além de espaço dedicado ao produtor rural que deseja conhecer um pouco mais sobre a agricultura digital. Nesse espaço também estão disponíveis informações sobre conectividade em áreas rurais e aplicativos de celular com soluções para o dia a dia no campo e exemplos de uso das tecnologias digitas na agropecuária, além de explicações sobre linhas de apoio e fomento público e privado para as startups.

Para a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, a ferramenta será uma referência para o produtor acompanhar as ações de inovação em andamento no país, servindo, como exemplo, para aproximar os empreendedores do agro da captação de recursos para os projetos. “Vamos incluir nosso produtor rural na efervescência dos ambientes de inovação para que tenhamos mais e mais soluções para os desafios reais do nosso agro”, explicou.

As dimensões da água

por Pedro Gerhard, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente

Dia 22 de março é o Dia Mundial da Água. Tal sua importância, que a ONU dedicou inteiramente dois dos seus 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: o ODS-6, dedicado ao fornecimento de água potável e ao saneamento, e o ODS-14, tratando da vida na água dos mares e oceanos. Mais do que isso, outros ODS incluem metas diretas e indiretamente ligadas à água: da produção de alimentos, ação sobre as mudanças climáticas até a proteção de ambientes aquáticos.

Pode-se concluir que a água está conectada a todos os 17 ODS: ela é um recurso, um mediador e um meio. Sua presença, para além de quando abrimos a torneira, está na energia usada para escrever este texto e no alimento que comemos.

Uma forma de entender o complexo papel do líquido está no conceito “nexo água-energia-alimento”. Cunhado pela Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO) em 2014, o conceito sublinha seu papel no bem-estar humano, na redução de pobreza e no desenvolvimento sustentável. Água é usada para produzir energia. Água é usada para produzir alimento. Energia é usada para coletar, transportar e tratar água, demandada nas cidades por pessoas e indústrias. O nexo aponta com clareza para as demandas setoriais pela água. Para assegurar que a água continue disponível em qualidade e quantidade, fluindo de rios e poços, seu uso deve ser feito racionalmente, de forma sustentável.

Em termos globais, a água não se consome em definitivo, ela é ingerida e transpirada, ela escoa, infiltra, evapora, precipita, permeia e viaja pelo planeta. É aí que o papel da agropecuária se destaca. Ela ocupa porções consideráveis da superfície dos continentes e também é a atividade que usa a maior parte da água doce extraída de rios e de poços. Porém, no Brasil, a maior parte da atividade agropecuária é dependente da água das chuvas, e grande parte da água retorna ao meio ambiente localmente, por infiltração, evaporação ou transpiração. E na agricultura irrigada, ainda que as magnitudes sejam outras, ocorre o mesmo. Apenas uma fração da água total que passa no sistema produtivo é exportada como alimento.

Permanece uma questão e um desafio. A questão é entender quanto, quando, como e onde essa água retorna ao meio. O desafio é melhorar continuamente os sistemas de produção para serem mais eficientes no consumo de água e que seus efluentes sejam livre de contaminantes.

A indagação é, de forma nada abstrata, enfrentada diariamente pelo produtor rural – quanta água o gado precisa, quando é melhor plantar, como evitar as enxurradas e proteger o solo, onde guardar a água em excesso, quando a terra não pode absorver mais? A provocação é, também de forma nada abstrata, motivação diária para pesquisadores que trabalham nas ciências agrárias, florestais, ambientais e outras afins. Quais plantas são mais eficientes no uso da água, ou toleram secas mais extensas? Quanta água pode ser retida no solo se técnicas inovadoras de plantio forem desenvolvidas? Onde e quando irrigar cada cultura, para incrementar o aproveitamento da água pela cultura e minimizar o consumo de energia?

Notem-se as questões impostas pelas mudanças climáticas. Em primeiro lugar é preciso reduzir as emissões ou aumentar o sequestro de gases do efeito estufa dos sistemas de produção utilizados atualmente. Segundo, é preciso adaptar os sistemas de produção de alimentos às alterações no regime de chuvas, na intensidade de eventos de precipitação e estiagem e das temperaturas médias; essas alterações já são observadas atualmente.

Respondida a questão, enfrentado o desafio, outra dimensão da água pede consideração. É a dimensão espacial, sua dispersão, movimentação, transporte e armazenamento entre ecossistemas (agroecossistemas para floresta), entre paisagens rurais (pecuária extensiva para pecuária leiteira) e entre regiões geográficas (Norte para o Centro-Oeste). Dado que a agricultura ocupa porções significativas do Brasil (e em muitos outros países), considerar esta dimensão espacial coloca novas questões para a Ciência.

Compreender os sistemas produtivos como áreas inter-relacionadas com seu entorno, com seus ecossistemas vizinhos. Estudar o papel da propriedade rural no contexto das bacias hidrográficas e outras áreas especiais, como áreas úmidas e de recarga de aquífero. Elucidar como os padrões de uso da terra afetam as taxas de evaporação, transpiração e precipitação em uma região, para então afetar outra que pode estar a milhares de quilômetros. Mas é aqui que se tornam necessários outros atores: gestores públicos, legisladores, agentes técnicos e a sociedade organizada.

A pesquisa pode nortear políticas públicas e auxiliar sua instrumentação, mas ainda será preciso escrever leis, criar ferramentas para sua execução, criar planos de governo, orientar e fiscalizar as atividades dos diversos setores da sociedade.

“Todos moram em uma bacia hidrográfica”. Este bordão de educação ambiental, já bem repetido em outros países, é verdadeiro também para nós, no Brasil. Ele aponta para o fato de que nossas ações (e inações) influenciam a água, seja a consumindo diretamente, como energia ou como alimento. Esta água atua em um espaço geográfico, um sistema hidrológico. Não difere no contexto da propriedade rural, que abriga ecossistemas de produção agrícola e, outros, naturais.

O objetivo primeiro da propriedade rural é claro – produzir alimentos e outros insumos úteis. Isto pode, e deve, cada vez mais considerar as diversas dimensões da água. Seja água como recurso de uso direto, seja como um mediador, que transporta e transfere energia e nutrientes entre os componentes do sistema solo-planta-atmosfera, seja como um meio, que propicia a criação de ambientes aquáticos e áreas úmidas.

Esses espaços naturais conservados também podem ser uma fonte de renda direta ou indireta, pois oferecem diversos benefícios (materiais e imateriais) para as pessoas, mesmo as que estão distantes do meio rural. Isto é, só temos a ganhar quando entendemos que a água não é apenas um recurso, um insumo indispensável para a geração de produtos, mas também um elemento atuando em várias dimensões, capaz de permear, conectar, criar e transformar o planeta e seus habitantes.

Dia Mundial da Água: irrigação na produção de alimentos

Comemorado em 22 de março, o Dia Mundial da Água foi criado pela ONU (Organização das Nações Unidas) em 1993. Como forma de celebrar a data e aumentar a conscientização sobre seu uso consciente, a RENAI (Rede Nacional de Irrigantes) destaca a importância da gestão responsável da água e da produção de alimentos de forma sustentável.

A técnica de agricultura irrigada tem crescido de forma sólida no Brasil nos últimos anos. De acordo com o Atlas da Irrigação, a área irrigada no país chega atualmente a 8,2 milhões de hectares, apenas 3% da área produtiva ocupada pela agropecuária no Brasil. “É possível irrigar cerca de 55 milhões de hectares no Brasil, sendo esse o maior potencial de crescimento de área irrigada do mundo”, destaca Lineu Rodrigues, fundador e coordenador da RENAI.

Relatório da ANA (Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico), no entanto, indica que a irrigação no país pode crescer 45% até 2030. “É muito pouco, frente às necessidades. Temos o desafio de produzir alimentos de forma sustentável e em quantidade suficiente, em um mundo cada vez mais complexo, com uma população que em 2050 será em torno de 9,1 bilhões de pessoas”, ressalta o especialista.

Conforme estudo realizado pela FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura), uma em cada nove pessoas no mundo não tem comida suficiente para levar uma vida saudável e ativa. E, para atender a esta demanda mundial de alimentos em uma janela de tempo de menos de três décadas, há a necessidade de um aumento real na produção de alimentos de cerca de 70%.

“O Brasil é um dos poucos países capazes de elevar a sua produção agrícola sem comprometer o meio ambiente. Temos mais de 12% das reservas de água doce e algumas das maiores bacias hidrográficas do mundo”, reitera Rodrigues.

Segundo ele, o uso da água via irrigação para produção de alimentos ainda é discreto, uma vez que a quantidade utilizada para este fim representa menos de 0,6% do que existe nos rios brasileiros.

Entre os benefícios da agricultura irrigada, conforme especialistas, destaca-se, principalmente, o desenvolvimento social e econômico do país e a possibilidade de uma produtividade até três vezes maior do que em áreas de sequeiro – no caso da soja, esse número tende a ser ainda maior. Além disso, a prática reduz a possibilidade de impacto climático na produção; viabiliza diversidade nas culturas e uso do solo durante todo o ano; estimula a modernização no campo; contribui à geração de emprego e renda; e reduz a demanda por abertura de novas áreas de produção.

Para entender o sistema de agricultura irrigada, no entanto, é necessário compreender também o ciclo da água, ou o ciclo hidrológico, que nada mais é do que o caminho percorrido por ela na Terra e na atmosfera.

A água, no seu estado gasoso, proveniente da evaporação e da transpiração das plantas, sobe. Levada por correntes de ar, o vapor esfria e condensa. Neste momento, a água assume a forma líquida novamente, formando nuvens – conjuntos de partículas que, com o tempo, deixam as nuvens carregadas e, consequentemente, geram a chuva. Dessa forma, a água retorna ao ciclo, e seu movimento é recomeçado.

Terceiro setor

A escassez de água para o manejo do cultivo de alimentos tem feito os produtores rurais procurarem técnicas de agricultura irrigada que garantam um desenvolvimento sustentável e mitiguem os problemas de estiagem.

“Em períodos de abundância hídrica, o volume de água autorizado por outorga é represado para uso em momentos de baixos níveis. Dessa forma, aproveita-se o recurso da melhor forma possível na continuidade de produção de alimentos, como feijão, soja e milho”, explica Celso Lopes, presidente da Associação dos Produtores do Vale do Araguaia (APROVA).

Lopes destaca que a irrigação ainda abre oportunidade para geração de segurança alimentar, econômica e ambiental no Brasil. “Em algumas áreas do nosso país, torna-se totalmente impossível produzir sem irrigação devido aos longos períodos de seca, como observamos no semiárido brasileiro. Não é possível haver geração de emprego, desenvolvimento social e sustentável ou estabilidade na produção sem que haja uma estratégia sólida de irrigação do cultivo”, complementa.

Nos picos da seca, entre agosto e setembro, os equipamentos de irrigação, como, por exemplo, os pivôs centrais são usados pontualmente, ficando ligados com mais intensidade entre abril e junho, voltando à carga em outubro e deixados de lado, novamente, com as chuvas de verão.

“A conta é a seguinte: pegar o volume de água que o pivô utiliza diariamente e calcular isso sobre o período máximo que ele pode ficar sem captar água. Assim, você conseguirá dimensionar o volume útil de água necessário no reservatório. Além disso, a tecnologia de gerenciamento remota possibilita o monitoramento constante da irrigação, aumentando, assim, a produtividade e utilizando melhor os recursos naturais”, finaliza o presidente da APROVA.

Por meio da ONG Araguaia Sustentável e em parceria com a APROVA, a Mitre Agropecuária tem investido em ações à comunidade local, contribuindo para o desenvolvimento social e econômico do país, biodiversidade, produção de alimentos e geração de emprego e renda na região do Vale do Araguaia.

Sobre a RENAI

A Rede Nacional de Irrigantes (RENAI) é uma entidade sem fins lucrativos composta por 13 Associações de Irrigantes, seis Polos de Irrigação e 12 dos principais nichos da agricultura que utilizam a irrigação. Lançada em dezembro de 2021, a Rede visa através do incentivo ao desenvolvimento sustentável da agricultura irrigada, contribuir para que a segurança alimentar e ambiental, a sustentabilidade do agronegócio e a redução da fome e da pobreza seja atingida no Brasil.