Índices do custo de produção de suínos e frangos de corte recuam a valores de 2015

Os custos de produção de frangos de corte e de suínos divulgados pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa (www.embrapa.br/suinos-e-aves/cias), registraram em março mais um mês de queda.

O ICPFrango/Embrapa fechou março com 187,20 pontos, baixa de 4,39% em relação ao mês anterior. A última vez que o índice da Embrapa para a produção de frangos de corte havia registrado pontuação semelhante havia sido em setembro de 2015 (quando chegou aos 191,98 pontos).

O custo de produção no Paraná, maior produtor nacional e usado como referência, foi de R$ 2,42 por kg de frango vivo (R$ 0,11 a menos que em fevereiro e R$ 0,19 a menos que em janeiro). No ano, o ICPFrango acumula baixa de 11,13%, enquanto nos últimos 12 meses a variação é de -12,90%.

Já o ICPSuíno/Embrapa oscilou -4,30%, caindo para 192,73 pontos, fechando abaixo dos 200 pontos pela primeira vez desde setembro de 2015. O custo de produção do kg de suíno vivo em ciclo completo em Santa Catarina, maior produtor nacional e usado como referência no índice, ficou em R$ 3,37 em março, 15 centavos a menos que em fevereiro.

Principal item na composição do ICPSuíno (73,28% do preço), a nutrição dos animais recuou 4,21% em março, representando R$ 2,47 do total do custo de produção. Em 2017, o ICPSuíno acumula queda de 12,80%, e chega a -11,28% nos últimos 12 meses.

ICP/Embrapa – Os índices de custos de produção foram criados em 2011 pela equipe de socioeconomia da Embrapa Suínos e Aves e Conab. O ICPFrango/Embrapa refere-se aos custos de produção no Paraná para aviário tipo climatizado em pressão positiva, modelo referencial de produção. Já o ICPSuíno/Embrapa é obtido a partir de resultados de custos da produção de suínos em sistema ciclo completo em Santa Catarina.

Aplicativo Custo Fácil – Disponível para download gratuito, o Custo Fácil auxilia o produtor integrado e a assistência técnica a organizar as informações necessárias para estimar o custo de produção e obter relatórios úteis para a gestão da granja. O aplicativo é indicado para integrados com contratos de parceria e de comodato para os sistemas de produção de suínos em creche e terminação, produção de leitões e frango de corte. O aplicativo pode ser baixado em telefone celular ou tablet com sistema Android clicando no ícone da Play Store e fazendo a busca por “Custo Fácil” ou “Embrapa”.

Planilha de cálculo do custo de produção do integrado – A Embrapa Suínos e Aves disponibiliza gratuitamente no site da CIAS uma planilha eletrônica que ajuda produtores integrados de suínos e de frango de corte na gestão da granja. A planilha permite ao produtor integrado e à assistência técnica inserir os coeficientes técnicos bem como o valor dos investimentos em instalações e equipamentos e despesas operacionais, gerando resultados de custos de modo fácil e uma estimativa da Taxa Interna de Retorno (TIR) do investimento realizado.

aviario-embrapa
Foto: Embrapa / Divulgação
Anúncios

Recorde histórico da safra de grãos agora é de 227,9 milhões de toneladas

A safra 2016/17 de grãos deve chegar a 227,9 milhões de toneladas, com um aumento de 22,1% ou 41,3 milhões de toneladas frente às 186,6 milhões de t da safra passada. A previsão está no 7º Levantamento da safra atual, divulgado nesta terça-feira (11/04) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

A elevação comparada à safra 2015/2016 se deve ao aumento de área e às boas produtividades médias da atual safra, que não sofre a influência das más condições climáticas do ano passado. A previsão é de aumento de 3% na área total em relação à safra anterior, podendo chegar a 60,1 milhões de hectares. Estão incluídas neste prognóstico as culturas de segunda e terceira safras.

Para a soja, a expectativa é de um crescimento de 15,4% na produção, devendo atingir 110,2 milhões de toneladas, com aumento de 14,7 milhões de t em relação à safra anterior e ampliação de 1,4% na área, que deve chegar a 33,7 milhões de hectares.

No caso do milho total, deve alcançar 91,5 milhões de toneladas (37,5% de crescimento), com 29,9 milhões de toneladas para a primeira safra e 61,6 milhões para a segunda. A área total do milho deve alcançar 17,1 milhões de hectares (ampliação de 7,3%). No total, milho e soja representam quase 90% dos grãos produzidos no país.

O feijão primeira safra deve chegar a uma produção de 1,38 milhão de toneladas, resultado 33,4% superior ao estudo de 2015/2016. O feijão segunda safra deve produzir 1,22 milhão de toneladas, sendo 607,1 mil do grão em cores, 216,1 mil do preto e 393,6 mil do feijão caupi. A produção de feijão total pode chegar a 3,29 milhões de toneladas, com área total de 3,1 milhões de hectares. Já o algodão pluma deve crescer 14,3% e chegar a 1,47 milhão de toneladas, mesmo com uma redução de 2,6% na área cultivada.

Cadeia agroindustrial do feijão – O estudo atual traz também informações sobre a produção regional desta cultura e a preferência do brasileiro para alguns tipos mais presentes na sua mesa: feijão comum cores (com destaque para o carioca), comum preto e feijão caupi. O primeiro, de maior consumo no país, tem cerca de 80% de sua produção cultivada nos estados da Região Centro-Sul. Já o comum preto, de consumo em alguns estados, é produzido basicamente no Sul do país, enquanto que o caupi, de consumo tipicamente nordestino, tem produção de 60% em alguns estados do Nordeste.

safra31

Expo Bio Planet movimenta setor de produtos orgânicos e naturais no DF

da redação do Agricultura e Negócios

Brasília recebe, até o próximo domingo (09/04), a Expo Bio Planet, a maior feira de produtos naturais e orgânicos do Distrito Federal. A estimativa dos organizadores é que mais de 40 mil pessoas visitem o espaço nos quatro dias de evento.

Entre as atrações estão a Praça Verde, reunindo os principais e melhores produtores orgânicos do país, e a Praça Zen, com ambiente destinado ao bem-estar e relaxamento dos visitantes. Além disso, a ideia da exposição é informar e educar, com uma programação de palestras e bate-papos sobre os benefícios dos produtos orgânicos e a biodiversidade.

“Acreditamos que podemos mudar o mundo com uma vida mais leve e com mais qualidade. Com esse evento, podemos ajudar as pessoas a terem uma nova visão de como serem melhores para si mesmas”, reforça Elenice Moreira, organizadora da feira.

Serviço:

Expo Bio Planet

Data: até 09 de abril de 2017

Local: Pátio Brasil Shopping – área externa

Horário: Sábado – das 10h às 20h / Domingo – das 12h às 19h

Informações: www.expobioplanet.com.br

20170407_182413
Foto: Jayme Vasconcellos / Agricultura e Negócios

Ministério da Agricultura cancela registros do SIF e estende auditorias a mais estados

O secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Eumar Novacki, apresentou nesta quinta-feira (06/04) novo balanço das auditorias dos 21 estabelecimentos que estavam sob suspeição desde a deflagração da Operação Carne Fraca. Novacki reafirmou que toda a investigação segue sendo feita com transparência e ressaltou a robustez do sistema de fiscalização sanitária do país.

Segundo o secretário, foram recolhidas, pela força-tarefa criada no Mapa, 302 amostras de produtos, de forma preventiva. Desse total, 31 amostras ou 10,2% delas apresentaram problemas de ordem econômica, não necessariamente fraudes, mas a não observância de normas técnicas, como excesso de amido em salsicha ou adição de água, além do permitido, em frango. Das 302, oito amostras (2,6%) tiveram pequenos problemas, mas capazes de afetar a saúde pública. Dessas oito, sete tiveram confirmada a presença de salmonella e uma de estafilococos. Todas as amostras foram enviadas para análise em unidades do Laboratório Nacional Agropecuário (Lanagro) do Ministério da Agricultura.

As 31 amostras com problemas de ordem econômica referem-se a embutidos, onde foi encontrado ácido sórbico, conservante proibido em salsichas e linguiças. Esses produtos saíram dos frigoríficos Souza Ramos, no município de Colombo (PR), e já foram recolhidos. Foi comprovado ainda excesso de amido em salsichas produzidas pelo frigorífico Peccin, de Curitiba (PR) e de Jaraguá do Sul (SC).

Também foram encontrados problemas de ordem econômica na produção de frango com excesso de água, processado pela unidade da BRF de Mineiros (GO) e pelo Frango DM.

Das oito análises de produtos que apresentaram possível risco à saúde pública, sete laudos se referem a hambúrgueres contaminados por Salmonella, produzido pelo frigorífico Transmeat (SIF 4644), dono da marca Novilho Nobre. Essa linha de produção da empresa foi fechada e os lotes do produto recolhidos no dia 23 de março. Os produtos serão obrigatoriamente descartados e destruídos, sob supervisão de técnicos do Mapa.

Também foi constatada a presença da bactéria Estafilococus Coagulas Positiva na linguiça cozida produzida pelo Frigorífico FrigoSantos (SIF 2021). “Esta análise só ficou pronta hoje pela manhã, sendo determinado o recolhimento preventivo da linguiça e interdição desta linha de produção”, disse o secretário-executivo.

O Mapa iniciou o procedimento para cancelar o SIF dos frigoríficos Peccin (SIFs 825 e 2155) e do Central de Carnes (SIF 3796). “Outros frigoríficos também poderão ter o registro cassado, na medida em que nossas auditorias avancem. Todos os que erraram terão de pagar pelo erro. Não importa se são grandes ou pequenas empresas”, alertou Novacki.

Por orientação do ministro Blairo Maggi e pelo fato de a força-tarefa haver encerrado os trabalhos antes das três semanas previstas, nos estabelecimentos citados na Operação Carne Fraca da Polícia Federal, o Mapa vai intensificar a fiscalização e antecipar o calendário de auditorias. Já estão sendo realizadas ações em Pernambuco, Bahia, Tocantins, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo. As equipes de fiscalização nesses estados terão rodízio com troca de posições e até possíveis substituições de superintendentes. “Queremos que essas auditorias nos deem a situação real de como estão funcionando os serviços de inspeção em cada estado. Todos os resultados serão divulgados e compartilhados com a Polícia Federal e o Ministério Público Federal”, garantiu.

“Também por determinação do ministro Blairo Maggi, todos os indícios de crime, seja contra a saúde pública ou de ordem econômica, serão encaminhados ao Ministério Público e à Polícia Federal para devidas providências. Nós, no Mapa, estamos limitados à esfera administrativa, cabendo à Justiça e à Polícia Federal investigar, prender, processar e condenar”, observou Novacki.

Para reconquistar a confiança dos mercados e mostrar a robustez do sistema de fiscalização de produtos de origem animal do Brasil, o secretário-executivo irá viajar, entre os dias 17 e 27 de abril, para se reunir com autoridades dos governos do Irã, Egito e Argélia. Em maio, o ministro Blairo visitará a China, Hong Kong, Emirados Árabes, Arábia Saudita e Europa para intensificar as negociações com importadores da carne brasileira.

196