Opinião

“Nós temos 3 milhões de hectares irrigados, dos quais 60% usam o método mais antigo, primitivo, que é a inundação. (…) Nós temos mais de cerca de 20% de hectares irrigados com o método de aspersão convencional, que, além de pouco eficiente, exige o uso intensivo de energia para pressurizar a água, para o pivô. E tem mais o pivô central, que também desperdiça muita água e usa muita energia. (…) Temos um impasse grande, sobretudo nas regiões onde existe muita evaporação. Esses são métodos pouco adequados e pouco eficientes no uso da água.”

Aldo Rebouças, professor de hidrologia da USP.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s