Fundos Constitucionais movimentaram R$ 43,78 bilhões em 2020

Recursos foram voltados a empresas das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Parte do montante foi destinado a pequenos empreendedores, por meio da linha emergencial contra os impactos da pandemia de covid-19

Mais de R$ 43,78 bilhões foram concedidos em financiamento a empreendedores do Norte, do Nordeste e do Centro-Oeste em 2020 por meio dos Fundos Constitucionais das três regiões (FNO, FNE e FCO). Os recursos são administrados pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e concedidos pelos bancos do Nordeste, da Amazônia e do Brasil.

“A orientação que temos do presidente Bolsonaro é de fazer esses repasses chegarem ao maior número de beneficiários e municípios nestas regiões que historicamente têm mais dificuldade. Dessa forma, a economia é menos impactada neste período de pandemia e, ao mesmo tempo, damos suporte às empresas para que os empregos sejam mantidos”, afirma o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho.

A região que movimentou mais recursos foi a Nordeste, com R$ 25,8 bilhões em contratações, seguida pelo Norte, com R$ 10,48 bilhões, e pelo Centro-Oeste, com R$ 7,5 bilhões em financiamentos. Desse total, R$ 3,52 bilhões foram destinados a pequenos empreendedores das três regiões, que puderam acessar os recursos por meio da linha emergencial contra os impactos da pandemia de covid-19.

Nordeste

De acordo com dados preliminares da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), dos R$ 25,8 bilhões utilizados em financiamentos na região, pouco mais de R$ 3 bilhões foram disponibilizados por meio da linha emergencial voltada a estabelecimentos afetados pela pandemia do coronavírus. Foram registradas mais de 156 mil operações nos 11 estados atendidos pelo órgão por meio dessa linha. No total, foram realizadas mais de 711 mil contratações em todas as linhas de financiamento disponíveis.

Do montante total, R$ 19,1 bilhões foram aplicados em iniciativas nos ramos de agronegócio, comércio e serviços, entre outros. Além disso, R$ 6,6 bilhões foram investidos no setor de infraestrutura, outros R$ 11,7 milhões para o Financiamento Estudantil (Fies) e R$ 113 milhões para empréstimos a pessoas físicas.

A Bahia registrou o maior volume de aplicação (R$ 4,19 bilhões), seguida por Ceará e Pernambuco, que contrataram, respectivamente, R$ 2,86 bilhões e R$ 2,68 bilhões. Os três estados foram responsáveis por 51,1% da movimentação. Maranhão (R$ 2,04 bilhões), Piauí (R$ 1,81 bilhão), Paraíba (R$ 1,21 bilhão), Minas Gerais (R$ 1,1 bilhão), Rio Grande do Norte (R$ 1 bilhão), Sergipe (R$ 942 milhões), Alagoas (R$861 milhões) e Espírito Santo (R$ 341 milhões) completam a lista.

O setor de comércio e serviços foi o que mais se destacou, contratando R$ 8,4 bilhões – 32,4% do total. Na sequência veio Infraestrutura, com R$ 6,6 bilhões (25,7%). Outros setores contemplados foram agrícola (R$ 3,4 bilhões), pecuária (R$ 4,3 bilhões), agroindústria (R$ 448,9 milhões), indústria (R$ 2,1 bilhões) e turismo (R$ 532,7 milhões).

As contratações foram realizadas por meio dos diversos programas do Fundo Constitucional, como FNE Rural, FNE Inovação e Pronaf. Desses R$ 25,8 bilhões, foram destinados R$ 14,8 bilhões para o Semiárido, região apontada como prioritárias pela Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR).

Norte atinge R$ 10,48 bilhões em contratações

O Fundo Constitucional do Norte (FNO) realizou R$ 10,48 bilhões em contratações (19.095 operações). Desse total, o agronegócio foi responsável por R$ 4,5 bilhões e o setor de infraestrutura, por R$ 3,5 bilhões. Os pequenos empreendedores tiveram acesso a cerca de R$ 1,3 bilhão – R$ 306,7 milhões por meio da linha emergencial contra a covid-19 (4 mil operações), R$ 430,3 milhões por meio da linha FNO MPEI, que inclui também os microempreendedores individuais, e outros R$ 512,6 milhões em diferentes linhas ofertadas pelo Banco da Amazônia.

A contratação de financiamentos no Pará foi a maior entre os estados do Norte (R$ 4,05 bilhões). Na sequência, vêm Tocantins, com R$ 2,21 bilhões; Rondônia, com R$ 1,63 bilhões; Amazonas, com R$ 1,47 bilhões; Acre, com R$ 287,9 milhões; Amapá, com R$ 72,3 milhões; e Roraima, com R$ 751,8 milhões.

Agronegócio se destaca na captação de financiamento no Centro-Oeste

Nos quatro estados do Centro-Oeste, o Fundo Constitucional da região, que também é administrado em parceria com a Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco) financiou mais de R$ 7,5 bilhões em 20,5 mil operações. Desse total, o agronegócio foi responsável por R$ 5,3 bilhões – um crescimento de 12% comparado ao ano anterior. Já as áreas da indústria, infraestrutura, turismo, comércio e serviços foram responsáveis por R$ 2,28 bilhões em contratações.

A linha de desenvolvimento rural, que financia investimentos fixos, semifixos e custeio, foi a responsável pela maior parcela de crescimento das operações. Foram quase R$ 4,8 bilhões em mais de 9,2 mil concessões de crédito em 2020. Em Goiás, os produtores rurais tiveram R$ 1,54 bilhão financiado. O agronegócio no Distrito Federal (R$ 516,6 milhões em financiamentos), em Mato Grosso (R$ 1,88 bilhão) e em Mato Grosso do Sul (R$ 1,32 bilhão) também foram responsáveis pelo crescimento.

Já os pequenos empreendedores que utilizaram a linha emergencial contra o covid-19 movimentaram R$ 220 milhões em 2.913 operações de crédito.

Foto: New Holland Agriculture / Divulgação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.