Serviço Florestal lança publicação sobre bioeconomia da floresta

O Serviço Florestal Brasileiro lançou, no Congresso Mundial da União Internacional de Organizações de Pesquisa Florestal (Iufro), a publicação Bioeconomia da Floresta – A conjuntura da Produção Florestal Não Madeireira do Brasil. A publicação que retrata o estado-da-arte da produção florestal não madeireira do país, incluindo a distribuição territorial dos diversos tipos de produtos: alimentícios, aromáticos, medicinais, corantes, borrachas, ceras, fibras, oleaginosos e tanantes.

O diretor-geral do Serviço Florestal Brasileiro, Valdir Colatto, afirmou que incentivar a bioeconomia é uma das metas da atual gestão buscando garantir a ampliação de renda à população de mais de 20 milhões de pessoas que vivem região Amazônica. “É importante que o Serviço Florestal realize esse trabalho técnico e científico para alavancar a economia dessas pessoas que precisam ter renda, ao mesmo tempo em que protegem a floresta. O livro da Bioeconomia da Floresta vai trazer muitas luzes neste processo e o Ministério da Agricultura deverá pautar isso como uma das prioridades para o planos e programas de governo”, concluiu.

Conservação, segurança alimentar e geração de renda

A pesquisadora Sandra Regina Afonso, do Serviço Florestal Brasileiro e organizadora da publicação, explicou que o livro trata, em sua primeira parte, da importância dos produtos não-madeireiros no mundo, tanto para a conservação das florestas, como para a segurança alimentar e geração de renda.

Na segunda parte, é abordada a produção não-madeireira no Brasil, apresentando diversos tipos de produtos, para, depois concentrar atenção nos doze itens de maior valor de produção. “A gente aborda, para cada um dos doze produtos, o valor da produção, a quantidade produzida e o preço, ao longo dos últimos 20 anos, com base em dados do IBGE”, explicou Sandra.

Para estes produtos, a publicação traz uma análise de preço, feita pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que tem uma política de garantia de preço mínimo e de aquisição de alimentos.

No último capítulo, são expostas as políticas públicas relacionadas à temática da produção não-madeireira. “A gente fala um pouco das políticas a partir de 2009 até a mais recente, que é o Programa de Bioeconomia e Sociobiodiversidade, lançado agora em 2019”, explicou a pesquisadora.

A publicação ainda traz informações sobre os biomas brasileiros e dicas de publicações relacionadas aos assuntos tratados. “Quando a gente trata de cascas de árvores, fornecemos um link para que o leitor estude manejo de cascas”, exemplifica Sandra Afonso. O livro indica, também, dois instrumentos do Serviço Florestal Brasileiro: o Sistema Nacional de Informação Florestal (Snif) e o Inventário Florestal Nacional (IFN).

A publicação Bioeconomia da Floresta – A conjuntura da Produção Florestal Não Madeireira do Brasil foi idealizada pelo Serviço Nacional Brasileiro, com a coordenação técnica da própria pesquisadora e do diretor de Pesquisa e Informações Florestais, Joberto Veloso de Freitas, com apoio da Coordenação Geral de Extrativismo da Secretaria de Agricultura Familiar do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e da Conab.

Baixe aqui a publicação completa.

673843

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s